Amamentação: O que aprendi com a minha experiência


Amamentar foi muito natural para mim.  Minutos após o parto, ainda na sala de recuperação, consegui amamentar a Maria Clara.  Porém, passado alguns dias a dor nos mamilos era tanta que tive medo de não conseguir mais. Hoje,  um mês após o parto e com auxílio profissional, tudo melhorou!  Espero que as dicas sobre a seguir possam ajudar você também!

Concentre-se: reserve um cantinho especial para realizar a amamentação. Este é um momento importante de conexão entre você e seu bebê. Procure estar só com ele. No máximo conte com a ajuda do pai, mas evite outras pessoas por perto. Evite também  conversar, assistir televisão, utilizar o celular durante o ato.

article-2522180-1a08971d00000578-954_634x634

Não é hora de ser multitasking!

Pega correta: verifique se o bebê abocanhou o máximo da sua aréola. Isso vai evitar desconfortos e que machuque o seu seio. Refaça a pega sempre que ficar em dúvida se ficou correta. O pai pode ajudar neste momento segurando os bracinhos do bebê e direcionando a boquinha dele quando esta estiver o mais aberta possível.

img_6770

Investigue-se: aproveite o momento para “escanear” o seu corpo e perceber os pontos tencionados. A amamentação nem sempre é indolor e acabamos contraindo muitas partes do nosso corpo sem nos dar conta (eu por exemplo tinha a tendência de aproximar os ombros das orelhas). Comece pela cabeça e vá descendo, percebendo suas maiores travas: expressões faciais, mandíbula, pescoço, ombros, braços,… Observe com atenção também a sua postura. É aconselhável ter uma poltrona específica para amamentar para lhe condicionar a ficar sentada de forma mais correta.

Ajustes: Corrija sua postura e lembre-se de relaxar constantemente. Verifique se seus braços estão descontraídos dentro do possível, dando espaço confortável entre seu corpo e o bebê. A cabeça dele deve estar levemente inclinada, mais alta em relação ao próprio corpinho dele para evitar o refluxo do leite.

Persista!: Informe-se, troque experiências com outras mães, procure ajuda profissional se necessário antes de desistir. Lembre-se: “Só a prática leva à perfeição!” – você vai notar claramente que com o tempo, dia após dia, amamentar  vai se tornar cada vez mais natural. Inclusive vai perceber que o próprio bebê também vai aprendendo como você e entendo melhor o que precisa fazer (como se posicionar, como pegar o mamilo corretamente…).

Curta esse momento tão íntimo e único com o seu bebê! Agradeça! Você é muito privilegiada por tê-lo em seus braços e poder oferecer a ele o melhor e mais completo alimento!

Esse post foi escrito em co-produção com Aline Ribeiro Soares –  Mãe da Elis e do Otto. Técnica em massoterapia formada pelo GAMA-SP. 10 anos de experiência em auxiliar mães no processo de amamentação – desde seu primeiro puerpério desenvolveu um atendimento específico para mulheres em pós-parto, no qual o relaxamento, o cuidado, a consciência do corpo e o instinto materno são as principais vias de apoio ao puerpério e à amamentação. Contatos: 48 98804-9243  email: criavidasterapias@gmail.com

Alba & Maria Carolina & Maria Clara
Alba & Maria Carolina & Maria Clara
Três gerações unidas pelo amor a maternidade.